.


Colcha de retalhos - coisas novas e velhas

        Saudações Santistas

        Minhas convicções não mudaram. Ao contrário, se consolidam cada vez mais. E o que parecia ser uma colcha de retalhos, o que sempre me cobriu a cada dia se revela para mim como uma veste justa, confortável e de tecido único, sem costura ou emendas. E a lente através da qual eu tenho aprendido a enxergar e discernir o mundo à minha volta é, na realidade, a minha própria retina e o meu próprio olhar definindo as minhas escolhas e a minha forma de caminhar.

        Tenho todas as respostas? Jamais. Sequer me preocupo com isso. O que tenho é cada vez menos perguntas. Isso tem aplacado meus rompantes varonis, serenado a minha alma e me silenciado.

        E para aqueles que, voluntariamente ou não, sempre “dormiram no meu barulho”, meu desejo é que acordem com o eco do que eu sempre afirmei:

“Eu prefiro ser cabeça de formiga, a ser rabo de elefante !”

(Minha filosofia – sem data definida)


“Eu sou um homem do meu tempo e o meu tempo é esse que eu vivo agora.”

(De qual geração você é? - 11/11/2008)


“quem representa e responde pela minha capoeira e pelo meu Grupo, sou eu mesmo, pessoalmente.”

(Aprendizado ou concessão? - 18/11/2008)


“o mais importante é desenvolver uma consciência capaz de fazer com que a prática corresponda com o próprio discurso”

(Problemas e soluções – 05/12/2008)


“...reconhecimentos, atribuições e ascendência aliados a uma auto-estima valorizada demais do tipo “eu sou”, “eu posso” ou “eu mereço” tendem a depor contra uma disposição solidária, fraterna e desinteressada.”

(Prefiro ser amigo de samaritano – 12/01/2009)


“...não me considero melhor do que ninguém e tão pouco me preocupo com isso. Não estou concorrendo a nada e nem com quem quer que seja. Apenas realizo o trabalho que escolhi realizar procurando me inspirar no que as pessoas têm de melhor - principalmente nas que vieram antes de mim...”

(Ponderações – 23/03/2009)


“...quem é que melhor representa o que você pratica? Eu respondi: O meu mestre, Fábio Parada!”

(Ser angoleiro – 23/03/2009)


“...meu compromisso é somente com quem acredita em mim.”

(Reflexões – 14/09/2009)


“Que eu fale cada vez menos a aja cada vez mais.”

(Boas Festas para mim! – 19/12/2009)


“Estou cansado de ouvir respostas para perguntas que não são feitas e soluções para problemas que não existem.”

(Ser discípulo I – 29/05/2010)


“...meu problema não é com os estilos. É com o auto engano.”

(Reflexões II – 05/07/2012)


“Se por acaso você não é meu familiar, não é meu aluno, não faz parte da minha escola e, principalmente, não “vai muito com a minha cara”, saiba: esse texto não é para você. Aliás, nada do que eu produzo na capoeira o é. Nem para o bem e nem para o mal. Se mesmo assim você tem o hábito de consumir da minha produção, que você faça por sua própria conta e risco e não fique perturbado. Também não me perturbe por causa disso. Na realidade, meu desejo é que você não leia mais os meus textos e nem assista mais aos meus vídeos. Procure o seu mestre - caso você tenha um - para saber dele acerca da capoeira. Caso você não precise mais do seu mestre para interpretar a capoeira para você é porque, muito provavelmente, você não precise de mais ninguém. Muito menos de mim.”

(Desabafo II – 08/06/2012)


“Portanto, se esse texto servir somente para que cada um olhe para o seu próprio rabo, já me sentirei realizado.”

(Comportamentos – 20/12/2008)


Está dito.
Ribas.
Santos, 08 de novembro de 2013.



Site criado por Nilton Ribas Martins Júnior
Idealizador e fundador do Grupo Capoeira Santista