.


ORIGEM DA CAPOEIRA

         Através da tradição oral e de alguns registros, sabe-se que foram os africanos escravizados aqui no Brasil que desenvolveram essa luta, e algumas versões são normalmente bastante aceitas no meio capoeirístico.
        Sem ter a menor intenção de encerrar ou limitar o assunto, vou destacar duas versões que, em minha opinião, são as que mais se aproximam do que realmente poderia ter sido a origem da nossa arte.

        Origem rural
        Na realidade, em síntese, capoeira é um tipo de vegetação secundária que se desenvolve em uma vasta área que foi abandonada por não ser mais útil para o plantio.
        Conta-se-se que o escravizado, agredindo o seu opressor direto, fugia e se escondia na capoeira e, a partir de então, permanecia em estado de alerta, pronto para atacar violentamente quem tentasse recapturá-lo. A medida que essa prática se torna comum entre os escravizados é que se começa a relacionar o nome da vegetação à tal comportamento violento. Dizia-se coisas do tipo:

"Os escravos que fogem para a capoeira são muito violentos"
"Cuidado com os escravos que estão na capoeira"

        Desdobrando um pouco mais essa versão, especula-se que era nesse tipo de vegetação que os fugitivos reviviam os folguedos de sua terra natal.
        Dos folguedos revividos, destaca-se o N'Golo (aqui chamado de "Dança de Zebra" - ritual de iniciação no sul de Angola e que simulava ou imitava as brigas das zebras na África. Tratava-se de uma disputa entre os guerreiros da tribo para que o vencedor pudesse escolher com qual mulher que ele casaria sem precisar pagar o dote que era de costume).
        Acredita-se que essa manifestação tenha sido a precursora da capoeira que conhecemos hoje, porque quando flagrados, era comum que o feitor justificasse dessa forma ao seu senhor: "- Esses vão para o tronco, porque estavam se batendo por mero divertimento na capoeira" - relacionando outra vez o nome da vegetação com aquela prática até então desconhecida.
        Com o passar do tempo, essa manifestação passou a ser utilizada para distração do próprio dono da fazenda em dias de festas e posteriormente a principal arma do escravizado contra o seu opressor direto, o que garantia a fuga para os quilombos e, dessa forma, a conquista da liberdade tão sonhada.

        Origem urbana
        O termo capoeira também designa um cesto de vime, que na época era utilizado pelos escravizados, no cais do porto, para carregar aves galináceas (capões).
        Esses carregadores, por causa de tal ofício, também eram chamados de capoeiras e nos seus raros momentos de folga, largavam os seus cestos e se reuniam para, ao som de palmas e cânticos, reviver os folguedos de sua terra natal, assemelhando-se assim à versão anterior.
        Ainda no que diz respeito à essa versão, especula-se que esses carregadores disputavam entre si, através da luta, quem seria, por exemplo, o responsável pelo turno ou por determinada área do cais. Desse modo, era de se esperar que qualquer cidadão comum se referisse a esses trabalhadores com muito temor, dando origem à fama do capoeira ser bom de briga.
        São essas as duas versões que com as quais eu mais me familiarizo (e que foram expostas de maneira bem superficial, é claro!), mas por fim, deixo ao caro internauta a tarefa de dar continuidade a esse assunto com questionamentos e mais pesquisas e desde já me coloco a inteira disposição para sanar eventuais dúvidas ou ainda para mantermos esse contato.

Está dito.
Mestre Ribas.



Site criado por Nilton Ribas Martins Júnior
Idealizador e fundador do Grupo Capoeira Santista